Tempos de muita informação e pouca escuta

0
729
Crédito da imagen: Ozanam Network

Por María Luisa Téllez, Vice-presidente de Formação Internacional

Quero desenvolver brevemente duas idéias sobre comunicação sobre as quais acho que devemos refletir.
Uma delas é a supersaturação informacional que, embora sempre tenha existido, neste momento de pandemia transbordou, deixando-nos em um estado de incerteza, que é um dos piores que podemos viver. Um diz uma coisa e o outro diz outra, os números não batem e a “negação” dos ativistas que semeia o caos total.
Nesse sentido, eu realmente acredito e aplico no que me diz respeito como se fosse uma vacina, em dois pensamentos, um o crítico, aquele que analisa, aquele que contrasta e deixa de lado o implausível e foca no discernir o possível. O outro, muito mais positivo, é o do bom senso, que todos nós possuímos e que devemos sempre exercitar antes das “piadas” que
ouvimos.

Vamos recapitular: crítica, discernimento e bom senso.
A outra ideia sobre comunicação é a maneira lamentável como ouvimos. Ouvir é um ato de vontade e, portanto, um ato que exige um certo esforço e uma certa aceitação da pessoa, ou da conversa, ou da fala que ouvimos.
Às vezes, preconceitos, desatenção e barulho interferem negativamente. Ruído na comunicação é denominado tudo o que está entre a mensagem e o ouvinte, ou seja, entre o emissor e o receptor. E quantas vezes, quando falam conosco, o pensamento voa para outras esferas e nos impede de ouvir os outros.
Por isso, devemos evitar preconceitos com a mensagem e com o remetente e, por sua vez, evitar nossas próprias distrações que nos levam aos nossos próprios assuntos e manejar bem os silêncios, que são mais difíceis do que manejar as palavras.

Fonte: Ozanam Network

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY