SSVP Brasil convida as Vices do CNB para falar no Dia Internacional da Mulher

0
1649

A SSVP Brasil possui cerca de 53 mil consócias, presentes nas unidades, na diretoria e liderando vicentinos em todo o país. Neste Dia Internacional da Mulher, a Sociedade convidou a 1ª Vice-Presidente, Elisabete Maria Castro, conhecida como Bete, e as sete vices-presidentes das regiões para discutir o papel da mulher dentro da SSVP, a importância da representatividade feminina e homenagear as consócias da organização.

Confira.

Chamado de Deus: servir e lutar pelos mais pobres

“É um dia para celebrar as mulheres batalhadoras e guerreiras, que estão conquistando seu espaço e precisam ter voz, respeito e liberdade de escolha, pois ‘lugar de mulher é onde ela quiser’. Também é um dia para orar a Deus pelas milhares de mulheres que são vítimas de violência e assédio”, comenta a 1ª Vice-Presidente, Bete.

Ela participa da Conferência Santa Terezinha, na cidade de Juiz de Fora/MG, e lembra da chegada das consócias nas unidades vicentinas na década de 60. “A entrada das mulheres na SSVP trouxe sensibilidade, delicadeza e um olhar diferenciado para as Conferências. A liderança feminina na SSVP está crescendo cada dia mais, com centenas de consócias ocupando diversos cargos”, anima-se a vicentina.

Bete se inspira no sacrifício de Cristo para responder ao seu chamado e viver a vocação vicentina. “Os Pobres me ensinam a ser mais forte diante dos desafios. É por eles e para eles que vivo a prática da caridade semanalmente, seguindo o legado deixado por vários vicentinos e pelo fundador, Frederico Ozanam”, conclui a 1ª Vice.

Empoderamento feminino nas sete regiões do Brasil

Vânia Peres de Souza Cruz, Vice-Presidente para a Região 1 e coordenadora da Conferência de Crianças e Adolescentes (CCA) do Conselho Central São Pedro de Ibirité/MG, afirma que seu papel na SSVP é incentivar as mulheres a assumirem papéis de liderança na Sociedade. “Somos capazes!”, enfatiza Vânia.

A consócia se inspira na promoção dos Mestres e Senhores, que buscam se tornar protagonistas de suas próprias histórias para exercer suas funções vicentinas.

“As mulheres são a maioria em nossas Conferências. Se fosse como antigamente, quando as mulheres não podiam participar do meio vicentino, afirmo que a SSVP já não existiria mais. Nesta gestão do CNB, o Presidente Márcio José da Silva escolheu sete mulheres empoderadas para representá-lo nas sete regiões”, conta Vânia.

Ela também comenta sobre os constantes desafios que as mulheres enfrentam na sociedade: “é triste ver como o feminicídio está crescendo. Homens violentos e egoístas tiram a vida de mulheres, deixando seus filhos, famílias e amigos sem a presença feminina”, lamenta a Vice-Presidente da Região 1.

Desde a infância representando as consócias da SSVP

A Vice-Presidente para a Região 2, Maria Margarete Santos, a Margô,  conta com carinho sobre suas inspirações para exercer sua vocação vicentina. “Minha mãe, a consócia Clarita (in memoriam), me apresentou a SSVP e suas ações caritativas”, relembra a consócia da Conferência São Jerônimo, de Ipatinga/MG.

“Meu papel na SSVP Brasil é realizar um trabalho motivacional para que os vicentinos não se esqueçam do quanto somos importantes na vida de muitos”, reforça Margô . A consócia também reflete sobre a importância da representatividade feminina dentro da Sociedade: “As mulheres vicentinas traduzem a doação em atos de coragem, dedicação e amor ao próximo. As consócias têm um modo especial, uma ternura sem igual, um amor profundo e uma sensibilidade que encanta o mundo.”, finaliza com carinho.

A importância incomparável da mulher vicentina

Fabiana Aparecida Goulart Gonçalves de Oliveira se alegra ao falar sobre o dia de hoje: “Ser mulher, ver tudo o que conquistamos até hoje em termos de direitos e oportunidades, com certeza merece um dia para ser lembrado e comemorado”, diz a Vice-Presidente para a Região 3.

A consócia, que frequenta a Conferência Santa Teresinha, na cidade de Presidente Prudente/SP, também enfatiza a importância da representatividade feminina dentro da SSVP. “As mulheres têm um olhar mais afetivo, materno, uma maior sensibilidade e cuidado com os assistidos e com os vicentinos”, conclui a Vice-Presidente.

Todo dia é Dia da Mulher

Luciana (segunda da esquerda para a direita) em visita regulamentar ao CM de Pouso Alegre com representantes do CNB

A consócia Luciana Moreira, Vice-Presidente para a Região 4 e membro da Conferência Imaculada Conceição, em Limeira/SP, acredita que toda mulher tem um jeito diferente de ver o mundo e é isso que agrega a Sociedade. “A chegada das mulheres a SSVP trouxe esse equilíbrio de diferentes visões e maneiras de agir. É o que dá tempero e sabor na nossa vocação”, comenta Luciana.

Ela relembra o marco histórico que o Dia Internacional da Mulher significa na luta pela igualdade feminina. “Após 166 anos, já passou da hora de percebermos que o Dia da Mulher é todo dia, afinal somos todos seres humanos”, reforça a consócia. 

Ela comenta que seu papel, como vicentina, é servir a Deus e aos Pobres, ouvindo, entendendo, ajudando e unindo os vicentinos da Região 4. “Minhas principais inspirações são Jesus Cristo e sua mãe Maria Santíssima, São Vicente de Paulo, Frederico Ozanam, Bailly, Rosalie Rendu e, claro, os  confrades e consócias que me apresentaram a SSVP e com quem tanto aprendo nesta jornada  vicentina. O sorriso no rosto de cada assistido e a promoção de uma família também são fonte de inspiração para mim”, finaliza Luciana. 

Mulheres inspirando novas consócias

Consócia há 28 anos, Vânia de Fátima Garcia Siebert, Vice-Presidente para a Região 5, sempre buscou formas de ser autêntica e compromissada com sua missão vicentina. “Tenho muito zelo com tudo o que faço”, comenta.

Vânia cresceu na SSVP vendo o legado deixado por Frederico Ozanam e São Vicente e se inspirou neles para trilhar seu caminho na Sociedade. “A data de hoje é muito importante, pois lembramos da nossa importância no mundo. Hoje, somos a maioria nas Conferências e essa representatividade mantém nosso foco, fé e espiritualidade”, afirma Vânia.

Perspectiva feminina no trabalho vicentino

“O dia 8 de março é um divisor de águas na história de todas as mulheres. Ainda temos muito a conquistar, mas posso afirmar, como mulher, profissional da saúde, cristã, filha, madrinha, irmã e vicentina, que somos extremamente necessárias e importantes. Todos os dias nos reinventamos e conquistamos nossos espaços, com muito esforço e sabedoria”, destaca Ana Paula Alves de Lima, vice-presidente para a Região 6, da Conferência Nossa Senhora da Conceição, Rio Largo/AL.

Ana enfatiza que o papel de todo vicentino é servir, amar e cumprir sua missão, da forma que esteja ao seu alcance. “Eu vou mais além, o meu papel é ser vicentina e carregar com muito amor o exemplo de São Vicente e Frederico Ozanam, sempre tentando dar o meu melhor para servir”, acrescenta a consócia.

Além disso, Ana destaca a importância da representatividade feminina na Sociedade ao longo dos anos. “Hoje estamos firmes e fortes, dando o nosso melhor para juntos fazer uma sociedade cheia de igualdade. A presença feminina é muito forte nos trabalhos vicentinos, mostra que podemos fazer parte dos processos com competência e muito amor”, conclui Ana.

História de amor pela Sociedade

Angela Maria de Araújo Dutra, Vice-Presidente para a Região 7, entrou na SSVP aos 15 anos e se apaixonou pelo carisma vicentino. Sua paixão não foi passageira como um romance adolescente, e esse amor cresceu em Angela, que se envolveu cada vez mais com os Mestres e Senhores.

“Sou inspirada todos os dias, desde os sinais de trânsito, viadutos e praças até quando visito as famílias assistidas, pelo olhar daqueles que mais precisam: nossos Mestres e Senhores. Vemos o quanto eles confiam em nós e, muitas vezes, somos sua única esperança, amigos e família”, comenta Angela.

Assim como suas companheiras Vice-Presidentes, Angela acredita que o diferencial das mulheres vicentinas é a sensibilidade com a qual elas lidam com as causas, lutando pela sobrevivência das famílias e tornando o mundo mais humano.

“Deus seja louvado sempre e que o Dia Internacional das Mulheres, seja de muita sabedoria, paciência e amor para nós e para as nossas famílias assistidas”, finaliza Angela.

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY