Os pobres são nossos senhores

0
524

A atenção aos pobres é o fio condutor das missões da SSVP e do pontificado do Papa Francisco (que, inclusive, instituiu em 2017 o Dia Mundial dos Pobres).

Mas o que nossa instituição e o pontificado estão defendendo?

Trata-se de uma exigente conversão do nosso olhar perante o ato de oferecer auxílio aos pobres: deixar nossas posturas de salvadores, deixar de ser quem sabe, descobrindo que  são esses indivíduos mais fracos que nos levantam, nos humanizam e nos abrem para Deus. Eles curam nosso instinto de superioridade cultural.

E a proposta desse novo olhar vale para todos os pobres aos quais os vicentinos são chamados. Os pobres, explica o Papa, são os oprimidos, que sofrem a precariedade, a violência e a solidão. Os sem-abrigo, as prostitutas, os migrantes, os velhos esquecidos por todos… Aqueles que ainda são considerados na nossa sociedade como indignos da vida, como as pessoas com deficiência grave ou em final de vida.

E essa exortação de estar perto das pessoas vulneráveis ​​permeia a história da Igreja. 

O que há de novo nas últimas décadas é a forma de pensar esta missão: onde a caridade foi concebida como uma ajuda levada pelos saudáveis ​​aos mais desfavorecidos em um movimento de descida, foi substituída por uma visão horizontal onde todos dão e recebem.

Assim, lemos na mensagem do Papa para o 2º Dia Mundial dos pobres: “A preocupação dos crentes não pode ser reduzida à assistência (…), mas chama isso de” carinho “(…) que honra os outro como pessoa”.

A Regra da SSVP sublinha isso com força, e tem sido uma das instituições pioneiras nesta área, convidando seus membros a “imitar Jesus no seu amor incondicional pelos pobres” e “ver Cristo nos pobres e os pobres em Cristo” (1.2 e 2.5).

Uma forma simples de pensar para colocar a ideia em prática é substituir o “fazer” pelos que estão em dificuldade, mas “estar com”.

A ALEGRIA DE CONHECER

Ao contrário da condescendência inconsciente que as gerações anteriores manifestaram por vezes na sua intenção louvável de “socorrer” os desfavorecidos, atitude de que ainda estamos imbuídos, a Igreja hoje nos chama a uma verdadeira companhia dos pobres: aceitando ser perturbado, não ter todas as respostas.

É esta experiência de relação fraterna que restaura a dignidade, que se propõe a SSVP em sua missão de caridade.

Arquivo de Raphaëlle Coquebert, jornalista

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY