Conferência do Rio de Janeiro faz a mudança na vida das pessoas com recursos próprios 

0
826

Assistir aos Pobres em sua emergência, com uma cesta básica ou outros mantimentos, é uma das atuações dos vicentinos. Mas a promoção dessas pessoas é sua verdadeira vocação. Para isso, o Conselho Nacional do Brasil investe anualmente nos Projetos Sociais, que seleciona pelo nosso país. Mas Conferências e Conselhos também podem, e devem, fazer suas ações individuais. E foi isso que aconteceu neste segundo semestre de 2023, no Rio de Janeiro, quando as Conferências São Sebastião e Nossa Senhora da Penha, do Conselho Particular de Engenho de Dentro, se uniram para buscar a promoção de quatro famílias.

“Nossa comunidade de Engenho de Dentro é muito atuante e o pároco ajuda muito. Sabemos que não podemos nos ater apenas ao atendimento emergencial dos nossos assistidos. É preciso promover para que eles consigam o próprio sustento e isso é um grande desafio, pois a maioria não tem educação formal completa ou o grau de escolaridade é muito baixo, o que dificulta na busca de emprego; ou tem idade avançada e alguns casos, problemas de saúde, o que também os afasta do mercado de trabalho”, conta Tatiana Honorato Vieira, presidente da Conferência São Sebastião.

Como as duas Conferências fazem parte da Paróquia Imaculada Conceição, o trabalho entre a unidades é sempre muito próximo. “Nós acompanhamos nossos assistidos nos programas sociais federais, estaduais e municipais, pois temos vicentinos assistentes sociais. Orientamos as questões de vagas em cursos públicos para os provedores, mulheres e filhos. Como temos muita doação de alimentos e mantimentos que chegam pela paróquia, decidimos usar nossos recursos financeiros para uma mudança estrutural efetiva das famílias assistidas pelas Conferências. Estamos engatinhando e aprendendo, mas já tivemos resultados”, explica Tatiana.

A escolha das famílias assistidas se deu após conversas nas visitas. “Ao pararmos para ouvir com muita atenção e cuidado, fomos descobrindo os sonhos de alguns e começamos a organizar os projetos. Algumas coisas conseguimos de doações dos próprios vicentinos e da comunidade, outras compramos. Juntas, as Conferências atendem seis famílias, trabalhando diretamente com 26 pessoas. Dessas, três foram contempladas”, explica a tesoureira da São Sebastião, Glória de Jesus Ferreira Fernandes.

Os investimentos não foram tão altos quanto eles pensavam. O projeto mais caro foi de pouco mais de R$ 2 mil. “É muito possível se houver programação”, define a tesoureira.

Uma das atendidas foi a cabeleireira Sandra Helena, de 61 anos. Ela trabalhou a vida inteira como cabeleireira e teve que se afastar da profissão por causa de motivos de doença, pois sofreu um acident, com isso, a família se afastou também. Ela conheceu os vicentinos, em 2017, e durante as visitas contou a vontade de voltar a atender, alugar uma cadeira em um salão, mas que para isso precisaria dos equipamentos e materiais e que não tinha como comprar. “A ideia brilhou nossos olhos, porque a Sandra sempre teve muita disposição e força de vontade e isso nos motiva muito. Ver que o assistido realmente quer mudar de vida e que só precisa de ajuda é o que nos inspira ainda mais. Pedimos a lista de material e com ela em mãos, fizemos as contas e compramos o que ela precisava”, lembra Glória.

Sandra relembra do momento que conheceu os vicentinos. “Fui apresentada à SSVP Brasil através do Padre João, uma pessoa incrível, um anjo na minha vida. Quando me afastei do trabalho, a assistência que providenciaram foi fundamental e, graças à SSVP, agora também tenho acesso a um psicólogo, que tem sido de grande ajuda na minha aceitação. Após o acidente, fiquei desanimada e depressiva, mas agora estou determinada a retornar com mais vontade, pois sei que sou habilidosa na minha área”, conta Sandra. 

A Conferência comprou secador, kit de tesouras, prancha, avental, presilhas, escovas e pentes, entre outros acessórios, com um investimento de menos de R$ 1.200,00. Sandra ainda não conseguiu alugar a cadeira no salão, mas já atende em casa. “Agradeço imensamente pela ajuda oferecida, que me permitiu recomeçar. Além disso, tenho a responsabilidade de ajudar a criar minha neta de 5 anos. Trabalhar é essencial para mim, e estou disposta a enfrentar os desafios que surgirem.”, finaliza a assistida. 

A tesoureira da Conferência define o sentimento que teve ao ver a assistida prosperando: “A gente acha que vai ajudá-los, mas eles nos ensinam, nos devolvem em amor, nos devolvem a certeza de que estamos no caminho certo, seguindo os passos de Ozanam, mudando realmente a vida deles e a nossa”, conclui.

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY