Papa nomeia Padre Vicentino, Odair Miguel, bispo auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre

0
4761
Fonte: CNBB

O Papa Francisco nomeou em 20 de setembro, o padre vicentino Odair Miguel Gonsalves dos Santos como bispo auxiliar para a arquidiocese de Porto Alegre (RS). O sacerdote é religioso da Congregação da Missão Província do Sul e tem como um dos objetivos reaproximar os vicentinos das paróquias e trabalhar com a Família Vicentina. Ele falou com exclusividade para a equipe de jornalismo da SSVP, contando sua vida, suas expectativas para os novos desafios e sua relação com os vicentinos.

Nascido em 2 de setembro de 1965, no vilarejo Guamirim, próximo à cidade de Irati, no Paraná, padre Odair Miguel é filho de Miguel Gonçalves dos Santos e Eunice dos Santos (in memoriam), tem dois irmãos: Ocimar Antônio Gonçalves dos Santos e Odete Aparecida dos Santos Ferreira. Ainda pequeno, mudou-se com a família para Irati, onde cresceu e onde teve despertada a vocação para o sacerdócio. “Desde pequeno eu gostaria de ser padre e chegou um momento que tomei a decisão. Com 27 anos, já adulto, entrei para o seminário. A Paróquia São Miguel, onde eu frequentava, estava sob a direção da Congregação da Missão. Eu não conhecia muito, mas conhecia padres que estavam por ali e comecei os estudos no Seminário Propedêutico, da Congregação da Missão, em Colombo, no Paraná”, lembra.

Padre Odair estudou Filosofia no Instituto Vicentino, em Curitiba, entre os anos 1993 e 1995, fez o Seminário Interno em Recife, tendo obtido a Licenciatura em Teologia pela Universidade São Francisco, de São Paulo (SP), em 1997. No mesmo ano deu início aos estudos de Teologia na Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo, graduando-se, em 2000, bacharel em Teologia. Sua ordenação presbiteral foi realizada em Irati, no dia 16 de dezembro de 2000. “Ordenei-me depois de nove anos de estudo, aos 36 anos, e comecei o trabalho na Congregação, na Pastoral Vocacional, acompanhando jovens que entravam no Seminário. Fiz esse trabalho por cinco anos”, conta.  

Em 2001, foi nomeado diretor substituto do Seminário de Filosofia, em Curitiba (PR), em seguida nomeado promotor vocacional da Província, função que exerceu entre 2001 e 2005, ano em que foi nomeado diretor das Filhas da Caridade da Província de Curitiba e permaneceu no cargo por seis anos.

Em Curitiba, padre Odair foi ainda conselheiro Provincial da Congregação da Missão Província do Sul, entre 2005 e 2008; assistente provincial da Congregação de 2010 a 2013; pároco da Paróquia Sant’Ana de 2011 a 2016. No mesmo ano foi nomeado provincial da Congregação da Missão Província de Curitiba, mandato que exerce até a presente, pois foi reeleito em 2019.

De 2017 a 2022 foi presidente da CLAPVI – Conferência LatinoAmericana das Províncias Vicentinas. No fim do mandato foi nomeado administrador da Paróquia São Vicente de Paulo, onde exerce seu ministério atualmente, e em 25 de maio deste ano foi nomeado assistente do Secretário Geral da Congregação da Missão, em Roma.

A nomeação como bispo auxiliar pegou o Padre Odair de surpresa: “Eu estava me preparando para ir trabalhar na Cúria Geral, na secretaria como assistente. Sete dias antes de eu embarcar, o Papa Francisco me nomeou como bispo auxiliar de Porto Alegre. Eu estava seguindo outro rumo, a minha chegada em Roma e meu trabalho na Congregação. Estava com as malas prontas, mudou tudo a minha expectativa. Nunca tinha pensado nesse trabalho como Bispo, estava seguindo a preparação para Cúria Geral”, conta.

Ele recebe o desafio com muita satisfação. “Os desafios agora são muito maiores do que os que estavam sendo me apresentados até então. Vejo como um momento muito importante da minha vida. Onde a gente vai, a gente vai levar o carisma. E essa era uma preocupação que a gente sempre tinha como provincial, da gente romper certos paradigmas já existentes o obsoletos, onde alguns padres mais velhos não tem abertura de enfrentar novos desafios e a gente estava provocando os mais novos para romper todas essas questões”, explica.

Sobre o que espera da participação vicentina neste processo, ele é enfático. “O trabalho com a Família Vicentina é primordial, é fundamental, e nosso Superior Geral (Tomaž Mavrič) incentiva muito. A gente sabe que esse desafio não é para todos. Estamos trabalhando, principalmente com os mais novos, para quebrar esse paradigma que devemos só trabalhar na Paróquia. Mesmo trabalhando na Paróquia, devemos abrir espaço para a Família Vicentina, onde estivermos. A Paróquia também é uma oportunidade de trabalharmos os vários ramos da Família Vicentina. Temos que romper essa visão de um padre vicentino, mas somente com um olhar diocesano. Vamos trabalhar como um padre vicentino, mas como um padre da Missão, voltado para os desafios atuais”, avalia.

O plano é de aproximação dos vicentinos e as paróquias. “A gente vai com essa missão. Eu ainda não conheço muito o Rio Grande e vamos levar essa motivação e provocação, para que possam utilizar das paróquias para esse serviço social e o atendimento aos Pobres. É uma oportunidade muito grande quando se tem uma paróquia com a presença do carisma vicentino, porque a questão social os vicentinos fazem com muita perfeição, com muita atenção. Vamos dar um olhar especial para isso”, conta.

Em novembro o Padre irá para Porto Alegre, a pedido do Bispo Dom Jaime, para conhecer o clero. Depois virá a ordenação, no dia 8 de dezembro, em Irati, na Paróquia São Miguel, seguida da Crisma e no ano que vem, a partir da Quarta-feira de Cinzas, Odair estará efetivamente em Porto Alegre, trabalhando como bispo auxiliar. Segundo ele, uma missa na Catedral será agendada para sua apresentação.   

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY