Santiago de Masarnau: o venerável fundador da SSVP da Espanha

0
204

A Sociedade de São Vicente de Paulo tem hoje como presidente do Conselho Geral Internacional o confrade Juan Manuel Buergo Gomez , da Espanha. Neste ano, o país de origem do nosso presidente completa, em 11 de novembro, 175 anos de atividades vicentinas. E uma grande felicidade para a SSVP da Espanha é que seu fundador é desde 2021 está no primeiro passo para ser considerado um santo vicentino: Santiago de Masarnau é hoje um venerável, declarado pelo Papa Francisco.

Para ajudar neste processo de canonização, o confrade Juan, que também preside o Conselho Nacional da Espanha, e os vicentinos daquele país estão fazendo um grande movimento para tornar Santiago de Masarnau conhecido no mundo todo. E você, conhece ele?

Santiago de Masarnau y Fernández nasceu em Madri, na Espanha, em 10 de dezembro de 1805. Era filho de Santiago de Masarnau Torres e Beatriz Fernández Carreño e tinha três irmãos. Quando criança, ele começou a estudar com José Rouré, organista da Catedral de Granada, para onde a família havia se mudado. De volta a Madri, ele se destacou como criança prodígio a ponto de, aos oito anos, compor uma missa em quatro partes com acompanhamento de órgão (cuja partitura original foi encontrada entre seus documentos) que, tocada por ele, foi executada pelos cantores da Capela Real. Ele recebeu muitas expressões de afeto de Isabella de Portugal, rainha consorte, segunda esposa de Fernando VII, para quem ele havia escrito várias composições executadas na igreja de El Escorial.

Em Madri, foi matriculado no Colegio da Encarnação, administrado pelos agostinianos, de 1818 a 1820, como estudante de filosofia e depois estudou matemática, entre 1820 e 1822, na Escola Real de San Isidro.

Desejando completar sua formação musical, em 1825 ele foi para Paris, poucos meses após a morte de sua irmã Dolores, para continuar seus estudos. Paris e Londres foram os pontos de referência desse longo período, mergulhando no movimento cultural da época, o Romantismo. Logo começou a compor, a dar aulas e a aparecer em programas de concertos ao lado das celebridades mais notáveis.

A SSVP

Em 1838, Santiago de Masarnau estabeleceu-se em Paris, após retornar de Londres, aos 33 anos. Deus veio ao seu encontro e ele passou por uma grande transformação. Masarnau participou de conferências quaresmais em Notre Dame, ministradas pelo Abbé Lacordaire, amigo de Frederic Ozanam, entre outros, para se preparar para uma confissão geral. Isso aconteceu em 19 de maio de 1839, na paróquia de Notre Dame de Loreto, perto de sua casa em Paris, onde ele recebeu a comunhão. Para ele, foi esse dia que mudou sua vida: “Um dia de sensações grandiosas, puras e benéficas! Como poderei agradecer ao Senhor por isso?

Depois de uma breve participação na Arquiconfraria do Sagrado Coração de Maria, em 9 de junho de 1839, um estudante amigo seu chamado Aussant, que viria a se tornar Prior dos Dominicanos em Roma, levou-o para a paróquia de St Louis d’Antin, a poucos metros de sua casa. Lá ele foi apresentado aos membros das recém-criadas Conferências de São Vicente de Paulo, das quais se tornou o tesoureiro, a tarefa mais complicada porque, com quase nenhum dinheiro, ele tinha que conseguir distribuir as cestas de pães e legumes em suas visitas. Ele trabalhou lá por quatro anos até retornar à Espanha, em 1843.

Os membros franceses o incentivaram a fundar as Conferências na Espanha, mas ele resistiu devido à suspeita levantada em Madri por uma instituição importada do exterior e que, em certo sentido, secularizava a caridade.

Mas sua opinião acabou mudando e 11 de novembro de 1849, na festa de São Martinho, em uma humilde cela que lhe servia de moradia e prostrados diante de um crucifixo, Santiago, Viicente de la Fuente e Anselmo Ouradou fundaram a primeira Conferência chamada São Sebastião, em homenagem ao santo padroeiro da paróquia. Naquele mesmo dia visitaram e adotaram os primeiros pobres: Paca Sanz, uma viúva com quatro filhos, Valentina, uma viúva com cinco filhos e sua mãe idosa, e Ventura Broco, idoso e extremamente pobre.

A Sociedade de São Vicente de Paulo cresceu e se espalhou rapidamente na Espanha. Masarnau multiplicou seus esforços para instruir os novos membros e visitar os pobres com eles. Quando o pedido de Agregação definitiva foi enviado a Paris, a Conferência já tinha 10 membros que estavam visitando 22 pobres. O Conselho Geral concedeu a Agregação para a Espanha em 4 de março de 1850. Quando seu irmão o repreendeu pela generosidade de suas esmolas, ele respondeu: “Se você soubesse o que os pobres me deram e me dão, não se surpreenderia com o que eu dou a eles”.

Quando completou sete anos de existência, a SSVP da Espanha já contava com mais de 100 Conferências. Deve-se mencionar também o grande número de obras sociais que eles atendiam, além das visitas domiciliares, como escolas, visitas a hospitais e prisões, regularização de casamentos, roupas, instrução religiosa, cozinhas ecológicas etc.

Em 1868, após a Revolução Espanhola, um novo governo foi instituído e um decreto presidencial acabou com as Conferências espanholas. A reação de Masarnau a um evento tão desagradável foi de grande serenidade espiritual, sem reclamações, críticas ou palavras dissonantes, mas aceitando-o com humildade como uma prova de Deus.

Quando a Sociedade foi dissolvida, Masarnau continuou a visitar os pobres. Antes de iniciar a visita e depois que ela terminava, eles entravam em uma igreja para orar e, no caminho, conversavam sobre a visita. Pode-se dizer que eles tinham uma reunião completa, como se estivessem ativos na Conferência.

Seis anos depois, após a queda da Primeira República (1873-1874), com a ascensão de Alfonso XII, filho de Isabella II, a monarquia foi restaurada na Espanha e, por meio de duas Ordens Reais, “as piedosas sociedades de São Vicente de Paulo foram legalmente restabelecidas, sendo seu propósito caritativo e inspirado por sentimentos puramente religiosos”.

As biografias de Santiago Masarnau e Frederico Ozanam Ozanam têm semelhanças. Eles se conheceram em Paris, tinham amigos em comum e uma trajetória de vida diferente, mas ambos convergiram em algo muito essencial: dedicaram seus esforços a serviço dos mais necessitados para lhes devolver- a esperança. Quando, em 1866, a Rainha Elizabeth II reintegrou Masarnau em seu cargo de Cavalheiro com um salário de 1.000 escudos, o que lhe teria garantido uma vida confortável e agradável, ele se demitiu com uma carta preciosa alegando que o serviço aos mais pobres não era compatível com ele.

Por meio de sua fé, ele fez todos os sacrifícios: desde tirar o casaco no meio do inverno para dá-lo a um pobre, até carregar nos ombros o cadáver de um sem-teto que ele ia visitar e que os coveiros não queriam levar pelas escadas da fazenda, pois ele estava morto há vários dias.

Ao longo dos anos, surgiram vários depoimentos e publicações sobre seu trabalho e sua figura. Durante sua vida, Pedro de Madrazo escreveu sobre seu trabalho como crítico musical. Da mesma forma, Donoso Cortés, Concepción Arenal, Vicente de la Fuente, José Mª Esperanza y Sola, José Mª Quadrado, seu primeiro biógrafo, e muitos outros, falaram sobre sua reputação de santidade.

Santiago de Masarnau morreu em 14 de dezembro de 1882, cercado por mulheres santas, entre elas as Filhas da Caridade e as Irmãs da Esperança, pelos pobres a quem ele havia ajudado e por amigos fiéis que disputavam a honra de carregar o corpo desse herói da caridade em seus ombros. O cortejo fúnebre partiu de sua igreja paroquial, a São Sebastião e ele foi sepultado no Sacramental de San Justo, no pátio de San Millán.

Seu epitáfio é outro exemplo do caráter humano e cristão do fundador das Conferências na Espanha: “D. Santiago de Masarnau. Fundador e primeiro presidente da Sociedade de São Vicente de Paulo na Espanha. Faleceu nesta Corte em 14 de dezembro de 1882, com 77 anos de idade. Abençoado é aquele que cuida dos fracos e dos pobres. Salmo 40.2”.

Em 13 de maio de 1996, seus restos mortais foram exumados e transferidos para um túmulo, construído na entrada do Templo Nacional da Sociedade de São Vicente de Paulo, na Espanha.

Para o presidente do Conselho Geral Internacioal, confrade Juan, a declaração de venerável a Santiago de Masarnau “é uma alegria para a família vicentina. O decreto de venerável reconhece suas virtudes espirituais, sendo as principais a fé, a esperança e caridade, e as virtudes pessoais, como a jumildade, gratidão, compromisso, integridade, compaixão e entusiasmo. As Conferências da Espanha se honram de terem tido como fundador um artista, um sábio, um santo, cuja principal virtude foi a humildade e por poder compartilhar sua causa com alegria com todas as Conferências do mundo”.

O confrade Juan conta ainda que o Conselho Nacional da Espanha pretente seguir com o processo de canonização e pede para que os vicentinos do mundo todo façam suas orações a Santiago de Masarnau pedindo uma graça.

Para ajudar a divulgar o nome de Santiago de Masarnau, o Conselho Nacional da Espanha está realizando em vários países diversos concertos com obras compostas pelo venerável vicentino.

“Todos nós temos nossa cruz e talvez a maior cruz seja não sermos bons com a nossa própria cruz e não cuidarmos da cruz dos outros”. Santiago de Masarnau.

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY