Outubro Rosa: vamos falar de prevenção?

0
563

Outubro já começou e com ele, a Campanha Internacional de Prevenção ao Câncer de Mama, o Outubro Rosa. Você, confrade e consócia, já conversou com suas assistidas sobre a importância do autoexame de prevenção? Essa conversa é essencial e pode ajudar a salvar vidas, uma vez que a detecção precoce da doença é um dos fatores associados à sua cura.

Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), em 2020, mais de 2,3 milhões de mulheres no mundo descobriram que estavam com câncer de mama. Esse tipo de tumor é o que mais acomete a população feminina brasileira e representa cerca de 24,5% de todos os tipos de neoplasias diagnosticadas. Também é o câncer que mais mata. O Instituto estima que neste ano ocorrerão no Brasil 66.280 casos novos da doença. Portanto, falar da prevenção com as assistidas é essencial.

O objetivo do Outubro Rosa 2021 é divulgar informações sobre o câncer de mama e fortalecer as recomendações do Ministério da Saúde para prevenção, diagnóstico precoce e rastreamento da doença.

O movimento internacional foi criado no início da década de 1990, quando o símbolo da prevenção ao câncer de mama — o laço cor-de-rosa — foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York (EUA) e, desde então, é promovida anualmente.

No Brasil, a primeira ação do Outubro Rosa aconteceu em 2002, quando o Obelisco Mausoléu ao Soldado Constitucionalista, localizado no Parque Ibirapuera, em São Paulo, foi todo iluminado de rosa. A partir de 2008, iniciativas como essa tornaram se cada vez mais frequentes. Diversas entidades relacionadas ao câncer passaram a iluminar prédios e monumentos, transmitindo a mensagem da prevenção.

Mas você conhece os mecanismos de prevenção? Eles são simples e podem ajudar e muito na detecção do câncer de mama e no tratamento precoce. Divida essas dicas com as assistidas:

  1. O corpo dá sinais: o corpo feminino pode dar sinais de alerta, como aumento de volume, nódulos nas mamas ou axilas e saída de secreção (principalmente de cor escura) do mamilo. Ao perceber algumas dessas alterações, a mulher deve rapidamente procurar um ginecologista.
  2. Fazer o autoexame: um gesto simples pode salvar vidas. Instrua a sua assistida. Fazer o autoexame é fácil: durante o banho, com um sabonete para deixar a região mais lisa, levante o braço e apalpe os seios para conhecer a textura e entender o próprio corpo. Se perceber algo diferente em algum momento, é preciso se atentar, principalmente se for apalpável, pois significa estar avançado. Procurar o médico sempre que achar algo diferente no próprio corpo;
  3. Fazer exames de rotina, como mamografia, e sempre manter o acompanhamento médico em dia.

Juntos, vamos com nossas assistidas, enfrentar e conscientizar sobre o câncer de mama.

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY